Saturday, July 22, 2006

" PALAVRAS A MAIS... "
























Se aqui dentro, o meu quarto está dentro de mim, como é que posso estar dentro do meu quarto? Não faz mal, sempre que achar necessário mudarei o sentido ás
coisas, tal como agora o faço com a
perspectiva destes móveis.














" Porque sorriste? "

- Pensei que não tinha cigarros...

" Valorizas demasiado o que te faz mal! "

- Poeta!...
Porque razão aqueles livros estão cheios de palavras?...














" Por estarem cheios de coisas!... "

- É só isso que vês?...

" E que mais poderia vêr? "

- Meu caro:
Aqueles livros
TÊM PALAVRAS A MAIS!...

" A mais!?... "

- Esse número de palavras
Não coincide com o número de coisas que lá estão.













" E o que é que elas não dizem? "

- Que as coisas
Já eram coisas
Antes de serem cobertas por palavras.

" Então é porque não passavam de coisas! "

- Perfeito!...

" E para ti, o que dizem as palavras? "

- Várias coisas.

" Várias coisas, como? "

- COISAS DAS PALAVRAS...


















" Mas essas coisas das palavras, são também palavras? "

- A palavra
NÃO É PALAVRA ENQUANTO COISA...

" Explica-te duma vez! "

- A palavra antes de ser palavra...


















" É SEMPRE PALAVRA! "

- Como!?...

" Bastou que dissesses A PALAVRA,
Ou então referias-te a algo que ainda não existia... "

- Poeta!...
TUDO É SEQUÊNCIA
TUDO VEM DETRÁS...

" O que isso quer dizer? "

- Que o próprio gesto,
Era já uma forma de ser da palavra
No seu estado primário.


















" Podemos admitir que o gesto
Se transformasse na palavra? "

- A palavra traduz o gesto,
Ou porque as palavras
SÓ FALAM DE PALAVRAS!...
Daí para cá
Á nossa volta,
As palavras começaram a existir de várias formas.

" Como então? "

- Por exemplo:
Como borboletas,
Reflexos palpitantes.
Ou ainda como uma flôr espetada no silêncio...

" Espetada no silêncio!? "


















- NISSO ESTÁ O SILÊNCIO.
E o segredo
NO SILÊNCIO DA FLÔR.

" E a palavra em si? "

- A palavra em si, como já disse:
É também coisa,
ESTRUTURA
RELAÇÃO...


















" E em relação á sua representatividade? "

- Será ou não articulada.
Quero dizer: terá ou não sentido.

" Subentendo que a palavra
Assume o seu corpo irresponsável! "

- Melhor dirias:
DETERMINADO...
Assumindo de certa maneira,
Perspectiva e forma
Peso e dimensão...

" Exemplifica! "

- No caso do seixo,
É DE PEDRA.

" E em relação áquela mosca? "














- A PALAVRA VOA...

" Quando falas assim adoro-te. "

( Bom-fim-semana! )

Pain-Killer

6 comments:

juka said...

Adoro rosas.
Afoto da rosa branca está deliciosa. Obrigada,

P. Guerreiro said...

"Quando achar necessário mudarei o sentido às coisas", como com as palavras. Muitas vezes o objecto persiste mas a nossa maneira de ver não e as palavras saiem diferentes, também os gestos e as expressões, se as tivermos.
Agradou-me a reflexão...Mais cedo ou mais tarde "isso" que existiu antes teria de ser palavra.
Bom Domingo caro Copa

naturalissima said...

Miguel
Está magnifico este momento de reflexão!
As palavras...
Elas que saem dentro de nós, representado tudo aquilo que vem do nosso eu... representando o que é o mundo à nossa volta!
Hummmm...

Miguel, aproveito, já agora, quebrar a "surpresa" e levar-te a conhcer o espaço do meu tio, que é pintor, escritor e foi prof. da Escola de Belas Artes em Lisboa. Está lá no último artigo exposto por ele, o livro que acaba de o escrever e prestes a ser editado...
Falaremos sobre o livro depois de o lermos. Vai até lá... talvéz gostes. Tenta.

www.rochasousa.blogspot.com

Um beijo de um bom Domingo
Hoje o MAR esta divinal!
Daniela

naturalissima said...

"A Culpa de Deus" é o tal livro que te falei prestes a sair!
Tem muito que se diga...

Beijinho

≈♥ Nadir ♥≈ said...

A força e o poder da palavra...
mesmo no silêncio...

Beijo e boa semana

naturalissima said...

Querido Miguel
"O envelhecimento nem sempre é digno"! Não dúvidas disso. Infelizmente é oq ue se vê na nossa sociedade. O muro como metáfora desse mesmo envelhecimento, representa a humanidade...

Quanto ao "Culpa de Deus", espro bem que seja um livro devidamente justo na sua sua distribuição. Tive o previlégio de dar uma vista de olhos e te garanto que é de o devorar todo. É de uma enorme qualidade, sensibilidade e de uma reflexão sobre o que somos como Homens... Independentemente de existir ou não DEUS. Ser ou naõ ser? Existir ou não existir? Eis a questão...

Espero que gostes.

Um beijinho ao outro peixinho
Daniela